• Jurandir Santos

FELICIDADE PODE SER OPÇÃO

Diante das questões, problemas sociais e desafios a vencer no nosso país e no mundo, tais como a violência, a fome, o analfabetismo, o preconceito, a corrupção, a guerra, entre outros, quem sabe não fosse o tempo de repensarmos alguns importantes valores globais.

Ao conjunto das habilidades e qualidades, boas ou más, que distinguem as pessoas, expressas em valores, atitudes, motivações e ações, desenvolvidos ao longo de nossas vidas e definindo quem somos, podemos dar o nome de caráter. Diz respeito ao estado moral e é a base do indivíduo, como se fosse o alicerce, a estrutura, a formação ou a sustentação de uma construção.


Saber conviver com as diferenças, desenvolver a compreensão de quem nem todas as pessoas são do jeito que gostaríamos e de que não temos o poder de mudá-las é a chave para a prática da aceitação, apreço e para a mudança de nossa visão em relação elas. Estamos falando da tolerância, a disposição que temos para admitir os modos de pensar, agir e sentir dos outros.


Dispensar tratamento com atenção diferenciada, profunda deferência e consideração tem a ver com o respeito depositado na relação com as pessoas e na maneira como gostaríamos que elas nos tratassem. Assim como saber discernir onde termina o nosso espaço e começa o do outro, oferecer possibilidades para que as pessoas possam expressar os seus sentimentos e pontos de vista.


O prazer de viver, a permissão do contentamento que nos damos para sorrir mais, a aceitação de sermos quem somos são características da alegria. Algo com influência de poder e energia simplesmente contagiante, na qualidade de vida e nas possibilidades de sucesso nos nossos empreendimentos.


Podemos falar daquele sentimento puro e verdadeiro que alguém pode ter. Incondicional, que nada quer em troca, a não ser que o outro fique bem. É o amor, seja pela companheira, pelo companheiro, pelos pais, filhos, amigos, ou pela humanidade.


Crer firmemente em algo, muito embora sem evidências de que isso tenha comprovação científica, verdadeira ou real, é uma manifestação de fé. Voltada à religião, à ideologia, aos aspectos emocionais, à vida ou às pessoas. Ela nos oferece ou devolve a esperança, a confiança, a firmeza e o convencimento da melhor direção para o nosso destino.


Educação, solidariedade, veracidade, afeto, benevolência, altruísmo. São outras terminologias que, acrescidas, poderiam simbolizar harmonização, consciência tranquila: a tão sonhada paz. O que nos faz lembrar a nossa condição de humanos, nos tornamos pessoas melhores e o mundo mais justo.


Jurandir Santos | diretor educacional do Senac São Bernardo do Campo | psicólogo, pós-graduado em E-Business, mestre em educação e doutor em Psicologia da Saúde pela Universidade Metodista | Autor dos livros: Educação profissional & práticas de avaliação (Editora Senac São Paulo, 2010) | Educação: desafios da atualidade (Editora Compacta, 2012) | Criança e adolescente em foco: dialogando com profissionais e cuidadores, Org. (Editora Senac São Paulo, 2014) | Membro fundador do Grupo de Estudos e Ações para a Paz e não Violência - GEAPAVI

www.jurandirsantos.com.br

Publicado em Jornal Primeira Página, Opinião, 29 de dezembro de 2011.

4 visualizações

© 2020 por Jurandir Santos. 

  • Facebook B&W
  • Twitter B&W
  • Branca Ícone Instagram